Pular para o conteúdo principal

O benefício das fontes difíceis de ler


Você pode dizer que tudo é relativo, inclusive as opiniões a respeito de fontes, se são bonitas ou feias. O fato é que nem toda fonte é agradável à leitura e nos faz até pensar no porque de sua criação. No entanto, um estudo recente da Universidade de Princeton declara que as tais fontes feias provocam um efeito benéfico na leitura, proporcionando uma melhor fixação da mensagem escrita. A pesquisa sugere que fontes de leitura agradável provocam um relaxamento no cérebro e, consequentemente, falha na absorção das informações durante a leitura.

Foi postado lá no Engadget e o artigo de Princeton pode ser visto aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Compartilhe conhecimento

Você já deve ter ouvido muitos discursos sobre o conhecimento e como é importante que você o compartilhe. Mas você já parou para pensar no por quê? Algo tão valorizado, que pode fazer com que você se sobressaia entre outros, precisa ser distribuído? Sim. Então, por quê?

Além do fator altruísta, compartilhar conhecimento terá um grande impacto em seu crescimento pessoal e profissional. E, claro, no crescimento das outras pessoas também. Compartilhar faz com que você busque cada vez mais o enriquecimento de sua cultura.



Não importa se você é um subordinado, um chefe, uma dona de casa, um avô, um irmão, um amigo, um faxineiro ou um engenheiro. Sem dúvida, você deve compartilhar conhecimento. E mais, valorize quem o faz.

Há mais de 2 anos, eu fiz uma lista de programas e sites com recursos que costumam me ajudar muito em diversas situações, especialmente no trabalho. Depois de compartilhar com alguns amigos através do Google Drive (Docs), resolvi compartilhar publicamente. Eu sei que essa…

Teste sua criatividade em 5 etapas

O que você faz para estimular sua criatividade? Alguns procuram ler sobre um determinado tema e há quem prefira apenas relaxar. Tudo isso funciona, de algum modo. A seguir, você verá 5 formas de desafiar sua capacidade criativa, de modo bem fácil, sem a necessidade de métodos complexos.

1 - Usos alternativos
Criado pelo psicólogo J.P. Guilford, em 1967, o Teste de Uso Alternativo propõe que você pense em quantas utilidades são possíveis para um determinado objeto, como uma cadeira, tijolo ou caneca. Veja esse exemplo, utilizando um clipe de papel:

Segurar papéis;Miniatura de trombone;Brincos; Marcador de livro; Manter fios enrolados; Abrir drive de CD/DVD pelo orifício de segurança. 
Perceba que o teste mede a divergência de pensamento através de 4 categorias:

Fluência: quantidade de possibilidades;Originalidade: quão incomuns são os usos;Flexibilidade: áreas de abrangência (brinquedo, acessório, ferramenta);Elaboração: nível de detalhe nas respostas
Tente você agora. O que você pode fa…